Abril foi um mês mucho loco. Entrei pra faculdade. Ganhei promoção da Rádio Rock pra ir pra baladjênha e castrei a Nina. Além disso, tive uns ~probleminhas de saúde~ e estou fazendo trocentos exames (um inclusive envolvia ficar com o holter preso em mim durante um dia inteiro com um calor dos infernos). Ainda não se sabe se meu problema é no coração ou na tireóide mas vamos seguindo investigando, né?
Ufa.
E Maio passou voando. Tão rápido que nem vi chegar e vi menos ainda ele ir embora… e já estamos no meio Junho, esse mês cheio de delícias e com um friozinho maravilhoso!

Como não dei conta de postar em Abril, fiz um catadão dos dois meses, tá valendo, né? :)

Por aqui…

Super recomendo que vocês leiam o post da Patthy no Imaginalinda, da Taty no Enfim Beleza e da Luh no Miniatura de Perfume pra ver todos os pontos de vista sobre essa incrível jornada.

Por aí…

Já comentei algumas vezes que tenho sentido necessidade de diminuir o meu consumo e as minhas “posses” por assim dizer. Quando li esse texto simples e curto da Thais Godinho sobre algumas dicas para simplificar a vida, vi que transmite bem o que penso e anseio pra mim.

20160613_vidasimples

 

Vi essa postagem no blog da Thay (kibei mesmo), e ri muito lendo: vamos falar sobre casamento. A Ju, minha melhor amiga ~mais antiga~, vai casar agora em julho e estou tendo oportunidade de vivenciar boa parte desses dramas com ela. Por favor, leiam o post super bem humorado da Isadora, cêis merecem rir um pouco!

20160613_casamento

 

A Luh já tinha me falado algumas vezes sobre a Tati Feltrin, mas foi só vendo esse vídeo que eu realmente dei bola pra ela. Achei os comentários dela muito pertinentes no que diz respeito ao mercado editorial. Nunca tinha parado pra pensar nos livros vendidos mais barato nas bancas, por exemplo. Mas vão lá, assistam mesmo.

 

Adoro que o 360 Meridianos está longe de ser ~só~ mais um blog sobre viagens. Você já parou pra pensar nas consequências dos algoritmos que definem o que você vê na timeline de suas mídias sociais tem pra sua vida? Ok, você deixa de ver opiniões cm as quais não concorda mas em contrapartida acaba vivendo em uma bolha sem nem saber que existe um outro ponto de vista para determinado assunto.

20160613_bolhainformacao

 

Como não canso de repetir, o Coisas de Diva é meu blog de ~mulherzices~ preferido da vida e cada vez tenho gostado mais das reflexões propostas. Já tinha sacado há algum tempo que a Thais estava solteira e nesse post ela resolveu compartilhar dicas de como superar o fim de um relacionamento. Acho esse tipo de post extremamente válido! Ainda mais com os comentários abertos e uma leitora ajudando outra 😉

20160613_fimrelacionamento

Tocaí

Ouvi muuuita coisa boa esse meses porque resolvi consultar meu Shazam e baixar as músicas que reconheci com o app no últimos, sei lá, 2 anos. Dentre elas, estava “18 and a Life” do Skid Row. Essa sou eu, viciada em rock dos anos 80.

Aliás, talvez vocês conheçam outra música da mesma banda, “I Remember You”, que também adoro!

Aliás², consegui comprar de boinha os ingressos pro show de 50 anos do Scorpions em São Paulo, dia 03 de setembro. Nem acredito! Meus pais adoram a banda e vou conseguir levá-los pra assistir de perto*, fiquei tão feliz!

*nem tão de perto assim, pois vamos ficar na platéia superior 2. Repito: não tenho mais idade pra pista (e meus pais menos ainda) 😛

Leituras do mês

“Resposta Certa”, David Nicholls ★★★☆☆ (abril) – não tem jeito, cheguei à conclusão de que nenhuma obra do David vai conseguir superar “Nós” pra mim. Não que eu não tenha gostado desse, mas não achei nada OMG. COnta a história de um jovem inglês saindo de casa pra ir pra faculdade e tudo que ele enfrenta por lá. É bacaninha, mas não é essencial, não, viu.

“Depois a Louca Sou Eu”, Tati Bernardi ★★★★☆ (abril) – meu Deus, sou eu escrevendo? rs Fora o fato de que não tomo tarja preta, a Tati sou eu. Aliás, admiro o trabalho dela há muito tempo, desde que eu era uma jovenzinha anos procurando textos de como superar uma paixão não correspondida. As crônicas dela muitas vezes são confusas, como nossos pensamentos mesmo (sabe quando pulamos de um assunto pra outro na nossa cabeça? então, tipo assim), mas é uma DELÍCIA de ler. O livro é curtinho e recomendo demais.

“A Coroa”, Kiera Cass ★★★☆☆ ♥ (maio) – tá, eu sei que todo mundo odiou esse livro. Estranho também eu dar nota 3/5 e colocar um coraçãozinho, né? rs Mas, gente, não sei lidar com o tanto que gosto dessa série. A Eadlyn é insuportável? É, claro que é. Mas eu também já tive 18 anos e aposto que era muito pior, viu? Sem grandes spoilers, tenho a dizer que amei a escolha final (e posso gritar a plenos pulmões que “eu já sabia” porque até twitei sobre isso). Vejo problemas inúmeros na narrativa da Kiera. Vejo problemáticas muito mal aproveitadas. Vejo um desfecho corrido. Mas quando eu vejo o final, ó, só amor <3

“Nunca Jamais”, Colleen Hoover e Tarryn Fisher  ★★★★☆ (maio) – recebi esse livro da Galera Record e comecei a ler de imediato porque é super curtinho mas me enrolei com alguns trabalhos da faculdade e só fui terminá-lo ontem. É um livro de suspense com uma boa pitada de romance (aliás, ótimas cenas sexy-sem-ser-vulgar nele). Acabou DAQUELE JEITO e me deixou doida por uma continuação… e olha que eu não esperava nadica da história! Mas me prendeu muito!

Espero aos poucos conseguir voltar o ritmo normal do BeLivs porque me faz falta, viu? <3

Um beijo!

Sei que é clichê, mas é incrível como o tempo passa rápido. Hoje faz exatamente um ano que eu desembarquei no Brasil e tirei a foto da tranqueirada toda que eu trouxe na mala. Mas o que um clique nunca, jamais vai conseguir registrar é a saudade que ficou em mim.

Não sei como explicar só sentir mas parte de mim ficou lá do outro lado do Oceano. Quando penso em Londres, a dor no coração que me dá me faz chorar toda vez (como agora, escrevendo esse post). A questão não é nem tanto a vontade de voltar (que é gigantesca) pra ver tudo o que não consegui ver da primeira vez mas sim o medo de nunca mais pisar lá de novo e ver o que já vi e tanto me emocionou. O terror de nunca mais ver de perto o caos que é a mão invertida no trânsito. O pavor de nunca mais sentir aquela emoção cortante de ver o Big Ben…

Mas de qualquer forma agradeço muito por ter tido a oportunidade de ter vivido isso.

Agradeço também pela paciência de você ter lido os meus relatos. Não quis que eles fossem escritos como um guia turístico, mas sim como um diário de viagem mesmo, com todas as coisas lindas que vi, mas principalmente tudo o que senti. Espero ter conseguido passar um pouco disso pra você <3

Como uma forma de encerrar esse ciclo, vou deixar aqui linkados todinhos os posts que fiz sobre meu primeiro mochilão ever. Falei sobre (quase) tudo que eu vivi nessas duas semanas mas eu peço com carinho que se ficar alguma dúvida, qualquer que seja, me pergunte! Eu adoro falar sobre isso e se der corda posso conversar horas e horas sobre o assunto…

Vamos lá?

Planejamento

Por onde começar o planejamento do seu mochilão ou viagem econômica – primeiros passos
Como fazer uma viagem econômica para a Europa – roteiros e gastos
Dicas para achar promoções de passagens áreas
Como arrumar uma mala inteligente – duas semana na primavera europeia

Em uma das tantas pontes maravilhosas da capital britânica...

Hospedagem e Transporte

Hotel baratinho em Paris: Jarry Confort – bônus: os diferentes passes de transporte, seus valores e a melhor escolha
Albergue incrível em Londres: Hostel Palmers Lodge Swiss Cottage – bônus: será que é seguro ficar em um albergue?
Camping maravilhoso em Roma: Camping Village
Viagem de trem entre Paris e Londres (Eurotunel)Indo de trem da Gare du Nord até King’s Cross/St. Pancras
(achei melhor separar a categoria, mais fácil de se achar, maybe)
Estação de metrô na Champs Elysees

Paris, na França

Saímos do Brasil no dia 12 de maio de 2015 e chegamos em Paris no dia 13, vindo de Lisboa (que serviu só de conexão, uma pena, fica pra próxima). Foram 4 noites na Cidade Luz (pra mim, mais do que suficientes pra conhecer tudo que eu queria).
Catedral de Notre Dame e os cadeados – a catedral que é linda e que me fez descobrir que gosto do estilo gótico (tks, arquitetas leitora lindas)
Palácio de Versalhes – não dá pra acreditar que as pessoas viviam em meio a tanta riqueza assim
Torre Eiffel – ou “a realização de um sonho”
Arco do Triunfo e Champs Elysees – ai, como tô a cara da chiqueza
Basílica de Sacre Coeur e Montmartre – porque às vezes quase sempre vale muito enfrentar nossos medos (nesse texto falo um pouco da violência na Cidade Luz)
Museu do Louvre – a emoção de estar lá, frente a obras excepcionais. Me arrepio toda!
Jardim das Tulherias e Praça da Concórdia – fácil, fácil meu lugar preferido de Paris (e com o melhor crepe da minha vida)
Galerias Lafayette, Ponte Alexandre III e Museu das Forças Armadas – ou “como se sentir pobre em 3 passos” heh
Sendo a tonta mais feliz do mundo em frente à Torre Eiffel

Londres, na Inglaterra

No dia 17 de maio de 2015 pela manhã, fomos até a Gare du Nord e em 2h30min chegamos ao lugar mais lindo do mundo. Foram 4 noites em Londres e me arrependo muito de ter sido tão pouco, merecia muito mais, viu?
Big Ben, Elizabeth Tower e Abadia de Westminster – uma das maiores emoções da minha vida inteirinha.
Palácio de Buckingham e The Mall – onde fica a Rainha <3
British Library e British Museum – já pensou em ver a pedra Rosetta de perto? *-*
London Eye e o rio Tâmisa – um dos meus posts preferidos, #fikdik
Parques Reais (Regent’s, Hyde e Kensington) – verde, flores, limpeza. Só podiam ser britânicos (tirando os tiny holandeses que vieram entrevistar a gente, claro)
St. Paul’s Cathedral, Tower Bridge e Tower of London – um pouco sobre a religião anglicana e a dinastia Tudor
Imperial War Museum – meu museu preferido da viagem toda e o mais angustiante de todos, único que me fez chorar
Quer foto mais londrina que essa?

Roma e Vaticano, na Itália

Nossa ida pra Roma foi no dia 21 de maio de 2015, saindo do aeroporto de Luton com destino a Fiumicino. Dormimos 5 noites em terras italianas (6 se contarmos a fatídica noite que passamos no horrível aeroporto – assunto pra outro post) e achei que foi suficiente também pra conhecer o principal.
Praça e Basílica de São Pedro  – emocionante é pouco!
Museus do Vaticano e Capela Sistina – emocionante é pouco!²
Coliseu, Foro Romano e Palatino – vocês não tem noção da grandiosidade desse lugar!
Praças e monumentos da Roma Antiga – incluindo Panteão, Monumento a Vitor Emanuel, Piazza Navona…

O gigante Coliseu

Reflexões

10 lições que eu aprendi longe do conforto da minha casa
Malas prontas

Uma esquininha italiana encantadora

Espero do fundo do coração muito em breve ter mais uma série de posts sobre alguma outra viagem para fazer por aqui. Mas enquanto isso não acontece, dá pra me deliciar lendo todas essas lindezas <3

Um beijo cheio de saudade…

Esse post faz parte da série Marinheira de Primeira Viagem, onde conto um pouquinho sobre meu planejamento e a viagem dos meus sonhos para a Europa (minha primeira viagem internacional, organizada de forma totalmente independente, praticamente um mochilão).

Quanto tempo tem durado sua amizade mais antiga? 2, 5, 10 anos? Pense um pouquinho…
Eu nunca fui de ter amizades muito duradouras. Um pouco pelo fato de eu não me esforçar tanto pra cultivar a amizade. Não sei, gosto dessa coisa mais livre, de não ter que conversar o tempo todo, nem de ficar ressentida se meu aniversário não for lembrado. Não exijo dos meus amigos aquilo que sei que não vou conseguir cumprir.
Mas às vezes acontece de as pessoas me cativarem de uma forma que fico querendo conversar o tempo todo, contar cada besteirinha que me aconteceu e celebrar cada conquista delas.
É assim com o bandilouca.

Foram uns 7 anos de amizade a distância para no minuto em que nos vermos sentirmos que não tinha como aquilo tudo não ser real. Aliás, nem precisávamos nos ver pra isso. Mas conhecê-las agora pessoalmente faz com que tudo seja mais factível, mais palpável e OMG, EU ESTIVE NA CASA DA LUIZETE! 😛

Bandilouca na Casa das Rosas

Passando um frio do cacete na Casa das Rosas. Notem que formamos sempre parzinhos: duas ruivas, duas de shorts, duas sem blusa, enfim, cêis entenderam.

Demorou pro nosso encontreenho sair do papel (ou deveria dizer “das planilhas”?), coisa de mais de ano, diga-se de passagem, mas na última sexta-feira 13, agora em maio, ele finalmente aconteceu! (com brindes patrocinados pela Dra. Costrícia Posta, inclusive #publi)

Precisávamos achar um lugar ligeiramente de fácil acesso pra todas já que a Patthy é de Ribeirão Preto/SP, a Taty é de Alfenas/MG, eu sou de Jundiaí/SP e a Luh é da capital paulista. Acabamos indo pro óbvio e a maravilhosa da Avenida Paulista virou nosso QG por um fim de semana (quer dizer, a Luh continuou no quarto espelhada dela #sddsVersalhes, mas as três forasteiras aqui ficaram quase em frente ao prédio da Gazeta #amomuitoesselugar). #alokadashashtags #pelomenosseiusardireito #sqn

Mas e sobre o encontro em si? Não sei nem o que dizer, só sentir <3 Foi emocionante ver a jaqueta maravilhosa da Luizete de perto. Ouvir o sotaque da Tatiénne ao vivo. Ler o tweet da GG e saber que era verdade que ela tinha acordado antes das 8h num sábado, como eu.

Bandilouca no Ibirapuera

Nossa primeira foto juntas e a sensação de QQ TA CONTESENU.

Eram anos e anos de memes e piadas internas acumuladas. Nosso desafio pessoal era usar isso tudo em um único final de semana (e dentro do contexto) e, ó, não é nosso aniversário mas estamos de parabéns.

Foi incrível estarmos conversando em tempo real, ao vivo e a cores. Sobre nossos seriados. Sobre o quanto o Stefan é banana. E o quanto é problemática a transformação da Fera em Erik humano no final do filme (juro que pra mim o nome dele era Erik, mas Luh me corrigiu, tks). De como Luizete cresceu-agora-é-mulher e já está no último ano da faculdade (gente, eu ~conheci~ essa criatura ainda no ginásio, cêis tem noção? Aliás, vocês já perceberam que a pessoa aqui denuncia a idade quando usa termos como colegial e ginásio, né não?). O rodízio de brigadeiros e a Ponte das Amoras. E a mala, ah, o que dizer da mala?

Milkshake do bandilouca

Maracujá, leite Ninho, chocomenta e churros. Algum palpite de qual é o meu?

Super recomendo que vocês leiam o post da Patthy no Imaginalinda, da Taty no Enfim Beleza e da Luh no Miniatura de Perfume (ERROR 404! assim que ela postar atualizo, ok?) pra ver todos os pontos de vista sobre essa incrível jornada.

Alguns comentários semi-aleatórios (porque sou mimitona da GG e enrolei tanto pra escrever o post que escrevi quando já tinha lido o das outras)

  • Usar o Uber não é tão fácil assim como dizem (ainda mais quando nem táxi você está acostumada a pegar – oi!). Dá medo do motorista não te achar, dá medo de entrar no carro errado e dá medo principalmente dos taxistas te baterem. Mas foi ótimo! Motoristas bonzinhos que quase nunca interagem com você (a menos que você dê abertura a isso). Depois da primeira vez foi sucesso.
  • Alugamos o apê pelo AirBnb (quédizê, GG quem tomou conta dos paranauês todos). O apartarmento do Anselmo (quirido, deixou bombons da Caucau Show como um welcome food (?) extremamente úteis pro nosso pós-baladjênha) era no 19º andar. E daí que tinham dois elevadores: um pros andares pares e outros pros ímpares, oi? Só fomos entender direito isso quando o moço da portaria falou que um estava quebrado e tínhamos que subir até o 20 e descer um lance de escada. Imagina isso mais de meia-noite. E com uma fucking mala de rodinhas?! AHAHA
  • Eu NUNCA vou precisar botar um cigarro na boca pra saber como é fumar já que devido ao inferninho que estava o John’s Irish Pub ficamos na área de fumantes. Diria que não recomendo mas, ó, dependendo da companhia, recomendo muito! Valeu a pena #tudovaleapenaquandoaalmanãoépequena
  • Hambúrgueres de grão de bico demoram pelo menos 30 minutos a mais pra ficar prontos do que os de carne no pub. Porém, salsichas de soja ficam prontas rapidinho no Black Dog. (mas, ó, enquanto que a salsichas tem gosto de isopor temperado, o hambúrguer é algo do qual me lembrarei pra vida toda)
  • Aliás², felicidade define as meninas terem gostado do Blackinho <3 obrigada, Kátia! (que merece menção honrosa pela ajudinha) Não sei se foi a fome, a canseira ou a calmaria do lugar, mas foi exatamente do que a gente precisava.
  • Aliás³, obrigada amiga-da-Luh-que-fez-o-mapa-da-Liberdade. Uma pena que não nos achamos lá. Lotada igual a 25 de março. Só valeu pelo sensacional mercado Marukai <3
  • Eu achava que eu pirava em livrarias. Mas ~pessoas ~ que cursam editoração é que piram loucamente em livrarias, eu sou fichinha.
  • Piriguete que é piriguete não sente frio nas pernas a menos que seja na Casa das Rosas =B (frio da porra, minha gente! cêis não tem noção)
  • É maravilhoso ser econômica na mala, não me arrependo. Mas é foda ter uma jaqueta de couro que não cabe mais na mochila e que você pre-ci-sa levar pra casa porque, né.
  • Não tem jeito: o sentimento de “vamos cuidar das miguxinhas mais novas” aflorou bonito nas coleguinhas mais velhas. Instintivamente a gente sabia que a Luh e a Taty eram nossa responsabilidade, entende? Coisa fofa de se ver.
  • Quando a gente não tem muita experiência dirigindo, a gente sente mais medo de estacionar do que de andar, faz sentido, Luh? E carros vermelhos ruleiam *-*
  • A primeira vez no metrô (ui) é inesquecível, ainda mais se for na estação Paulista (que fica na Consoloção, como sempre sou lembrada) porque, ó, tô pra ver estação mais confusa, benzadeus.

E sabe o que foi o mais estranho de tudo isso? Não ter sido estranho at all. Estranho foi acordar na segunda e ver que minhas roomies não estavam mais comigo e nem que íamos andar por km e km ouvindo as duas 9nhas reclamando 😀

Só sei que valeu cada bolha nos pés, cada músculo dolorido. Faria de novo e faria muito mais!

Obrigada pelo final de semana incrível, suas lindas! Nós somos demais <3

Bandilouca no Lollapalooza

Florências wannabe #rumoaoLollapalooza #somostodasflorzinhas

Um beijo!

P.S.: este post também poderia chamar “um ode ao Excel” ou “e eu que tô com a mala?”, just for the record.