Viagem

Roma – Transporte e Hospedagem – Camping Village

Eis que infelizmente chegou nosso dia de partir de Londres 🙁 Foi triste dizer até logo pra minha cidade favorita do mundo inteiro mas estávamos indo pra Itália e eu estava ansiosíssima pela comida!
Nosso vôo sairia do aeroporto de Luton, um dos aeroportos menores de Londres. Como estávamos muito bem localizados no hostel, foi só descer até a avenida principal e pegar o ônibus da EasyBus (foram 10 libras cada um de nós, compramos online, minutos antes de embarcar porque havíamos esquecido! rs).
Já no aeroporto, comemos no Burger King (um bolinho com queijo e pimenta jalapeño incrível que não tem por aqui) e trocamos nossas moedinhas de Libras restantes em uma pulseira Life-wannabe pra mim. A viagem foi na péssima Monarch, que ferrou com a mala do Daniel, mas é claro que não íamos deixar nada disso nos atrapalhar: afinal estávamos na Europa e de férias, tudo que queríamos era nos divertir e não nos estressar.

Em Roma nossa escolha de hospedagem foi um camping, vejam que inusitado. Aliás, notem que variamos bastante: hotel em Paris, albergue em Londres e camping em Roma. O nome é Camping Village Roma e a Bia também se hospedou lá 😉 Na realidade vejo mais como um clube, pois tínhamos à nossa disposição piscina, discoteca, restaurante, supermercado, enfim, tudo que precisássemos (não que tenhamos utilizado). O quarto em si era como se fosse um trailler (eles chamavam de bangalô) pequeno mas extremamente confortável. Mas o melhor de tudo foi o preço:  230 euros por 6 diárias, pra nós dois (na época a conversão da diária deu menos de 70 reais por pessoa).

Camping Village Roma - Um dos bangalôs

Um dos bangalôs do Camping Village Roma. Uma gracinha, né?

Havíamos contratado transporte do próprio camping para nos pegar no aeroporto de Fiumicino (que fica fora da cidade de Roma) mas teve uma confusão gigantesca, o transporte marcado pras 22h não chegava… Eu não sabia como entrar em contato com eles, então fui até o balcão do aeroporto e um atendente MUITO simpático se ofereceu pra ligar pro Camping e me ajudar (joguei um charminho, confesso). Incrível como mesmo com os problemas do nosso país, sempre que falei que era brasileira fui muito bem tratada.
O que importa é que no final das contas deu tudo certo!

Ciao Bella - a frente do maravilhoso restaurante próprio do camping.

A frente do maravilhoso Ciao Bella, restaurante próprio do camping.

Chegamos varados de fome e o pessoal foi muito bacana em aceitar nos fazer uma pizza e nos servir um vinho mesmo sendo quase meia-noite (eles já tinham fechado o restaurante inclusive). Pra mim o ponto mais alto do Camping Village Roma com certeza foi o restaurante Ciao Bella. Toda noite gastávamos uma boa grana com o maior prazer do mundo. Depois de comer só comida congelada e fazer lanches, foi bom demais nos empanturrarmos com a comida italiana.

Ciao Bella - Um pouco do que costumávamos comer por lá

Um pouco do que costumávamos comer no Ciao Bella (sentido horário): nhoque ao pesto, espaguete à cabonara e uma salada com fetta incrível, além de um dos melhores vinhos da minha vida. Pizzas individuais (sim, gigantes! mas o recheio não é como estamos acostumados, então dávamos conta). Mais vinho! E nhoque ao pesto (de novo) e lasanha bolonhesa (na época eu comia carne).

Não tinha café da manhã na nossa diária, então alguns dias compramos comida no mercado mas em outros comemos o maravilhoso cornetto de chocolate do café do Camping. I regret nothing!

O que tem de bom no Camping Village?

  • A estrutura. Você tem por perto tudo que precisa, inclusive restaurante com preços justos (comíamos uma bela salada, um prato de massa cada um, uma pizza e uma garrafa de vinho e gastávamos cerca de 50 euros – sim, mortos de fome).
  • O espaço do quarto não era pequeno, era suficiente.
  • O chuveiro <3 finalmente consegui lavar o cabelo com dignidade.
  • A facilidade de ter transfer para vários lugares de Roma (mesmo que não tenhamos utilizado).
  • O contato com outras culturas: tinham muitos alemães por lá, várias famílias europeias vão passar as férias lá, sabe? Adorei que um jovenzinho nos deu 2 garrafonas de Heineken pois estavam indo embora e não queriam levar peso 😛
  • O restaurante Ciao Bella (que é aberto também a não hóspedes).
  • Gatos everywhere <3 Roma é conhecida como a cidade dos gatos e fiz amizade com essa gracinha por lá:
Camping Village Roma - gato morador de lá

Gateira que é gateira encontra gato em tudo que é lugar, né?

Quanto ao lado ruim, senti falta de frigobar ou geladeira comunitária. Não dava pra comprar nada que estragasse. E, principalmente, a distância 🙁 claro que tudo isso teria um preço, né? O Camping é afastado uns 20 minutos do Vaticano, por isso contam com um shuttle de hora em hora que nos deixava na estação de metrô Cipro, bem pertinho dos muros, e custava 3 euros por pessoa/dia. Havia a opção de ir de ônibus de linha, mas tinham baldeações e já estávamos com preguiça, sabe? Acabamos utilizando o shuttle do camping todo dia, achei bastante cômodo (e não achei tão caro). É muito gostoso caminhar em Roma, então usamos o metrô somente um dia (e odiei, muito mal conservado – um choque pra quem veio de Londres), nem nos preocupamos em comprar passagens, nem nada.

De qualquer forma, recomendo muito essa hospedagem se vocês não se incomodarem com a distância. Passamos dias maravilhosos em Roma e conseguimos entender um pouco melhor as influências que a cultura italiana tem sobre o brasileiro. Incrível o choque de ter estado em Paris e Londres, com culturas mais “frias” e depois ir pra Roma, com aquela recepção calorosa e animada que estamos acostumados. tá que sou antissocial, mas foi interessante ver

Camping Village Roma - A vista do nosso bangalô na nossa última tarde na Europa

A vista do nosso bangalô na nossa última tarde na Europa… que saudade que dá!

Como eu estava d e s e s p e r a d a pra conhecer o Vaticano, nosso primeiro passeio foi à Basílica de São Pedro… aguardem o próximo post!

Esse post faz parte da série Marinheira de Primeira Viagem, onde conto um pouquinho sobre meu planejamento e a viagem dos meus sonhos para a Europa (minha primeira viagem internacional, organizada de forma totalmente independente, praticamente um mochilão).

Previous Post Next Post

You Might Also Like

15 Comments

  • Reply Paty 19 de janeiro de 2016 at 13:43

    Fiquei apaixonada por esse bangalô <3 <3 <3. Parece uma graça e super confortável mesmo! Mas fiquei ainda mais apaixonada pelo preço, HAHAHA. Gente, que pechincha, hein? Com tanta coisa a disposição, achei que seria carinho!

    E esse gatinho??? Que fofura <3. Eu ia querer roubar todos, hahaahahahahahahha.

    Sobre a mala que você comentou… A Cia perdeu a mala?

    • Reply Lívia 19 de janeiro de 2016 at 13:49

      Dá vontade de trazer os gatos pra casa mesmo <3
      Então, a Monarch rasgou a mala do Daniel, estou ziper, cadeado, coisa e tal. Quando fiz o report no site deles, nem feedback recebi. Além do péééssimo espaço a bordo (mas isso já esperávamos, pois era low-cost - pero no mucho).

  • Reply Paty 19 de janeiro de 2016 at 14:04

    Nossa, que irresponsabilidade deles, hein! Bom saber, vou até deixar esse post em destaque, pra não correr o risco =/

  • Reply KARINE 19 de janeiro de 2016 at 14:12

    Affffffff que demais essa hospedagem!!! Nunca vi algo assim sobre Roma, sério, hahahaha. Fiquei absurdamente de comer aquelas coisas que parecem maravilhosas, socorro! Acho que quando eu for pra Itália vou voltar uns 5kg mais gorda, HAHAHAHA. E juro que pensei que sua viagem era Paris e Londres, que demais que também foram pra Itália! Doida pra ver os próximos posts e pra viajar pela europa, aiii :~~ HAHA

    • Reply Lívia 19 de janeiro de 2016 at 14:15

      eu voltei mais gorda mas não me arrependo nem um pouquinho heh

  • Reply Patthy 19 de janeiro de 2016 at 16:09

    A última foto tem muita carinha de Brasil (sil-sil)! Não sei explicar, mas foi assim que me senti.
    Aliás, Ciao Bella parece nome de restaurante italiano aqui no Brasil, sabe quando usam uma palavra BEM típica no idioma do país que é tema do restaurante? Mas pelas fotos esse restaurante não quer apenas passar a imagem de italiano, mas é italiano COM FORÇA. (E com todos os centímetros. heh) Nhoque ao pesto, gente. <3 Essa pizza tá com cara das da minha mãe, então super entendo isso de comer uma inteira.
    Acho bem providencial se hospedar num local mais distante que exija caminhada, talvez me utilize dessa ideia quando conhecer a Itália – embora já me imagine comendo TANTO que ganharei o apelido de LA ROTUNDA dados pelos italianos.

    • Reply Lívia 19 de janeiro de 2016 at 16:16

      Vc tem razão: aqui em Junds tem um Ciao Bello!
      O bom de termos tido que caminhar mais e tals foi exatamente compensar o tanto que comemos XD

  • Reply Milena Maciel 19 de janeiro de 2016 at 16:53

    Que sonho essa sua viagem!! Tô apaixonada pelos seus posts da viagem, tô fuçando tudo hahah
    E que fotos lindas, amei esse bangalô <3 E essa foto da comida? Que fome que deu!!
    Tô aguardando pelo próximo post!
    Bjs

    • Reply Lívia 19 de janeiro de 2016 at 19:47

      Por dentro ele era bem simpleszinho, mas o suficiente pra nós dois 🙂

  • Reply Adriel Christian 20 de janeiro de 2016 at 07:49

    oi, oi.

    não sei se eu tinha curiosidade em conhecer a Roma, mas depois do post, juro que queria arrumar as malas e ir pra lá agora. motivo: gatos. amo demais, então, provavelmente eu sairia pegando todos e levando pra casa. voltaria pro brasil como criminoso, mas feliz. #aloka.

    deve ter sido triste pra ti andar nos metrôs quando tinha andando em um dos melhores lá em Londres, né? mas essas coisas a gnt nem deve reparar muito, é só lembrar de onde está e colocar de volta o sorriso no rosto. 🙂

    mal posso esperar por um post sobre o Vaticano. tu foi lá, né? como uma boa católica, isso é mais que obrigação. 🙂

    bjs!

    • Reply Lívia 20 de janeiro de 2016 at 08:51

      Nossa, tem gato pra tudo quanto é lado, por lá!
      Fui ~algumas vezes~ ao Vaticano e foi incrível <3 heh semana que vem já conto!

  • Reply Tatiana 20 de janeiro de 2016 at 12:41

    Que lugar gracinha, Lí! E que vista maravilhosa. *-* Se eu tivesse visto esse gatinho ia ficar tentada a colocar ele na mala pra trazer pro Brasil comigo =P Me descobri sendo muito gateira depois de ter a Alice. E poxa, viajar e aproveitar uma comida diferente deve ter sido maravilhoso, mesmo. Beijo, Lí!

  • Reply Poly 21 de janeiro de 2016 at 00:18

    Que bangalô LINDO! Realmente Roma é uma cidade para se comer. A gastronomia veio da Itália, logo a capital mundial da comilança tinha que ser italiana, né?
    Acho que eu ficaria em Roma apenas pela comida hahahaha
    Lindo demais seu amigo felino, seria meu primeiro amigo italiano XD
    Bjuxxxxxx

  • Reply Alice Renise 22 de janeiro de 2016 at 19:04

    Acho que eu lembro desse camping de quando estava fazendo pesquisas de hospedagem de quando fui a Roma. Fiquei encantada e estava animada com a experiência, mas meu pai achou melhor ficar no centro da cidade. Resultado, por um lado, facilitou bastante a nossa vida. Por outro, o hotel era bizarro. Se é que posso chamar aquilo da hotel. Sujo, velho, sem internet… um verdadeiro muquifo. Isso com certeza atrapalhou bastante a nossa visita à Roma.

    Ah, a Itália. Tenho uma relação de amor e ódio a esse lugar. Depois de presenciar a eficiência alemã e suíça, me deparar com aquela bagunça foi bem chato. Era quase como estar no Brasil. Por outro lado, acho que nunca comi tão bem na minha vida e com o passar do tempo até me acostumei com o “jeitinho italiano”. É quase como estar em casa. Agora, quero muito voltar para lá.

    http://pequenaaventureira.blogspot.com/

  • Reply Bruna Ferreira 26 de janeiro de 2016 at 21:34

    Gente que lugar é esse :o, estou chocada de paixão haha, quero muito conhecer um lugar desse, valeu super pela indicação Lívia, estou louca para ver os outros posts, apaixonada estou ♡.

  • Leave a Reply