Diário, Etecétera, Literatura

O melhor de Março

Eita que Março foi um mês praticamente infindável, benzadeus! Foi o mês em que tirei 10 míseros diaszinhos de férias e cheguei à conclusão de que me organizo muito mal pois deixo tudo arrumadíssimo quando vou sair mas quando volto tá tudo de pernas pro ar 🙁 Porééééém aproveitei para ir atrás de um sonho antigo e logo mais compartilho com vocês tudinho sobre esse assunto (inclusive acho que é isso que tá me travando, sabe? Quero muito escrever sobre esse assunto, mas ainda não posso).

Aproveitei o último fim de semana para (além de ~quase~ ficar em dia com Chicago PD) rever dois filmes muito gracinha. Não é tão comum eu falar de filmes por aqui mas fiquei empolgada, bora aproveitar!
O primeiro que revi foi O Amor Não Tira Férias (The Holiday, 2006) que é sobre duas mulheres: Amanda (americana, produtora de trailers de filmes, interpretada pela Cameron Diaz) e Iris (britânica, redatora de uma coluna sobre casamentos, interpretada pela Kate Winslet). Elas sofreram decepções amorosas e querem dar uma mudança em suas vidas, fazendo um intercâmbio de casas pelo feriado do final do ano (em um esquemão super AirBnB). A partir daí muita coisa aconteceu e me fez lembrar do quanto a história é uma graça (e o Jude Law também, falo mesmo!). Recomendo a todos porque tem comédia, tem romance e tem a Cameron cantando The Killers mei bêuda e me representando nessa vida 😛


Já o segundo… ai, o segundo <3 Simplesmente Amor (Love Actually, 2003). São várias histórias sobre relacionamentos que vamos acompanhando. Desde o cara apaixonado pela esposa do melhor amigo, o menininho encarando a desgraça do primeiro amor, até um londrino que decide ir pros EUA pra pegar o mulherio todo. As histórias que eu mais gosto são a do Primeiro Ministro (porque Hugh Grant e seu sotaque sempre serão meu guilty pleasure cinematográfico) e do Jamie, o escritor que pega a mulher na cama com o irmão e vai pro sul da França terminar seu livro (porque, né, Colin Firth falando português, outro amorzinho). Além disso podemos ver o Rodrigo Santoro totalmente sem sal (e tudo bem, porque eu prefiro pimenta) e Alan Rickman (eterno). Taí um filme que não me canso de rever!

 

Por aí…

Acompanho a Carô há muito tempo, desde a época do Futricô. Gosto muito de tudo que ela escreve e em identifico demais com ela, por isso vocês sempre me verão indicando links tanto do Acordei Disposta quanto do blog pessoal dela. Depois desse disclaimer, o que tenho a indicar para vocês é o post onde ela conta sobre o emagrecimento pelo qual passou. Spoiler alert: não foi nenhuma loucura e nada imposto pela ~sociedade~ como vemos por aí. Fica a dica de leitura pra quem gosta desse tipo de superação 😉
Acordei Disposta - o antes e depois da Carô

 

Um dos muitos posts que ~perdi~ durante minha ausência foi o Preenchendo a papelada da Patthy. Muito mais doq ue ser um post sobre como ela se organiza (ou não), o post está recheadíssimo de inspirações pra bullets journals, planners e coisas do tipo. Para quem é apaixonado por papelaria, como eu, é um prato cheio 😉

Imaginatif - bullet journal

 

*alerta de link que pode te levar às lágrimas*
A Luh nos presenteou com essa carta extremamente sensível e delicada endereçada para uma pessoa muito próxima que ela perdeu muito cedo. Busque seus lencinhos, segura na minha mão e vem ler: Uma saudade…

Miniature Disasters - Uma saudade...

Por aqui…

Dá o Play!

Além de ter ouvido bastante Iron Maiden, a música que eu mais ouvi nesse mês com certeza foi essa do Cage the Elephant, “Cigarette Daydreams”.



É uma música triste e feliz ao mesmo tempo. Não sei bem explicar, mas me faz refletir, gosto bastante.

Leituras do mês

“A Lista de Brett”, Lori Nelson Spielman ★★★★☆ – adorei esse livro! Tudo bem que desde o início eu já imaginava como iria terminar, mas não vejo isso como um grande problema. A história é O Diário de Bridget Jones meets PS: Eu Te Amo, logo conto mais!

“A Favorita – Um Conto de A Seleção”, Kiera Cass  ★★★★☆ – li enquanto esperava minha amiga na Saraiva. marlee sempre foi uma das minhas personagens favoritas e sofri muito com o sofrimento dela e do Woodwork em “A Elite”. É muito bonito o amor que eles sentem um pelo outro, além de podermos ver como o Maxon tem um coração bom. Aliás, aproveitei uma promoção do Submarino e comprei a versão impressa dos contos, o “Felizes Para Sempre” <3

O que vocês andam lendo de bom por aí, hein? Me contem!30

Previous Post Next Post

You Might Also Like

1 Comment

  • Reply Luh 6 de abril de 2016 at 21:34

    Deixa eu começar meu comentário com um monte de corações pela recomendação que você fez pro meu texto (e pro jeito lindo como você escreveu): ❤️❤️❤️❤️❤️❤️❤️
    Depois dessa miguxice, voltemos à programação normal hahahaha
    Já vi dois filmes no estilo de Simplesmente Amor, com várias histórias separadas (Idas e Vindas do Amor e Noite de Ano Novo) e acho gostosos de ver numa tarde ociosa. Não sabia que ele era nesse estilo, fiquei curiosa e já botei na minha lista! =D
    Sempre vejo você falando da Carô mas nunca entrei no blog dela (e juro que não sei o porquê). Acho que chegou a hora de eu mudar essa história hahaha
    Acho que já ouvi Cage the Elephant mas nunca tinha prestado atenção, visto nome da música e da banda direitinho, sabe? Essa que você recomendou é muito boa, me incentivou a procurar mais sobre a banda.
    Mais uma vez, obrigada por recomendar meu post! Fiquei feliz pela lembrança e pelas palavras, além de me sentir honrada de aparecer no seu ^^

  • Leave a Reply