TAG & Meme

TAG: Como você era nos tempos de escola

Sempre lembro com muito carinho do meu tempo de colegial (e é nesse momento que você percebe que a blogueira aqui nasceu nos anos 80 heh) e desde que vi essa tag no canal da Marina fiquei com vontade de fazer, mas fiquei enrolando. Só que foi só eu ver a GG postando que não teve jeito, tô aqui imitando XD

1. Quem era você na escola, como você era? E como era sua escola?
Eu era CDF (porque nem existia a palavra ~nerd~ naquela época). Apesar de ser alta, sentava na frente porque não enxergava quase nada (oi, isso não mudou muito). Era bastante estudiosa e desesperada para acabar logo as minhas atividades porque daí poderia conversar.

Estudei até o final da sexta série em uma escola pública do meu bairro, numa sala com mais de 40 alunos, trocentas turmas, uma loucura. Da sétima em diante, estudei em um colégio particular, turma de no máximo 20 alunos e só umas 15 salas, muita diferença pra minha cabecinha heh

Em uma excursão com a turma da terceira série

Em uma excursão para o Bosque dos Jequitibás com a turma da terceira série, eu tinha uns 9 ou 10 anos. Me reconhecem? sou a com a blusa cinza na cintura heh

2. Qual era a sua tribo?
Não tinha muito dessas coisas não, viu? Eu não era da turma dos descolados, nem dos populares, nem nada.

3. No recreio, onde era mais fácil te encontrar?
Sentada em um cantinho, cantando músicas do Legião Urbana com as amigas (gente, fiz muito disso na oitava série! eita fase depressiva). Já na época das provas, eu provavelmente estava na mesa, cercada de colegas querendo tirar dúvidas antes da prova.
Dificilmente você me veria na cantina já que nunca comprava lanche por lá, sempre levava de casa.

4. Já namorou ou ficou com alguém da escola? Foi dentro ou fora da escola?
Nunquinha, juro. Bem que eu queria mas, né, sempre fui rejeitada 🙁
Lembro inclusive de uma vez, quando eu tinha uns quinze anos, que escrevi uma carta para uma cara de quem eu gostava (baseada em uma matéria da Capricho de como escrever uma carta e parecer legal, vejam só) e ele mostrou pra todo mundo da sala. No final do dia, veio a irmã dele me dizer que nunca ia permitir que eu ficasse com ele porque eu não usava rímel nem tirava a sobrancelha. Oi??? (no fim, não fiquei mesmo)

5. Já fez alguma coisa escondida ou contra as regras? Já cabulou aula?
Sou muito caxias, gente. Só fui matar aula lá pelo terceiro ano (na faculdade era quase todo dia). Nunca colei, já que eu era aquele tipo de CDF que só confiava em si mesmo. Odiava passar cola porque não sabia ser discreta, então eu deixava claro pros coleguinhas que não ia esconder a prova deles nem dificultar que eles olhassem, mas também não ia ficar falando as respostas e precisava que eles me desse pelo menos uns 20 minutos pra eu resolver a prova antes de me torrarem o saco. Desculpa, eu era assim.

6. Se lembra de alguma modinha que você seguiu?
Sandálias de plástico com meias coloridas. Adorava! (essa foto de 2006 de um fotolog alheio pode te mostrar do que se tratava) Eu não tinha grana pra comprar a Melissa aranha (que era a “original”), então sempre tinha as genéricas (da Sandy, da Wanessa Camargo, etc) transparentes e variava a meia (geralmente listrada) que usava em baixo. A variação acontecia quando ao invés da sandália eu usava o tênis (também de plástico). Isso foi na época da sétima série, em 2001 acho.

7. Qual foi o melhor e o pior dia? 
*momento “senta que lá vem a história”*
Lembro de um dia que foi bastante agridoce e me marcou bastante. Eu estava na oitava série, adorava Blink 182, Capital Inicial e aulas de Espanhol. Era final do ano, um clima meio de despedida porque muitos não estariam mais ali no ano seguinte, a sala estava a maior bagunça. Em meio ao caos, meu melhor amigo (que também não estaria mais comigo no colegial) chegou e disse que estava apaixonado por mim, assim, do nada. Foi uma surpresa gigante (e boa!), nunca ninguém tinha me falado aquilo na vida, me marcou muito a honestidade do momento, foi muito bacana. Mas eu não soube lidar. Falei para ele que também gostava muito dele, mas como amigo. Ele chorou, eu chorei e a coisa toda estremeceu, eu simplesmente não sabia como agir com ele.
Engraçado que todos os professores sabiam da paixão e torciam muito pelo casal (que existia só na cabeça deles, né?). Imagino que ele deva ter contado sobre a declaração fail então todos eles vinham falar comigo para eu dar uma chance e isso foi totalmente desnecessário, MUITO CHATO MESMO. Ok que eu fui insensível mas nenhum dos adultos da situação lidou com aquilo de uma forma a não interferir na nossa vida. Lembro que aquela semana foi péssima, cheia de pressão, um dos piores momentos que vivi por lá…
Acabou que ele foi morar com o pai em outro estado mas voltou dali um ano. Retomamos a amizade e nos falamos até hoje, inclusive, mas nunca mais tocamos nesse assunto.
Até hoje penso se tudo aquilo existiu mesmo porque quando falo com as minhas amigas que estudavam comigo, nenhuma delas lembra disso LOL 😛

Lembranças do colegial

Lembranças do colegial. Adoro essa minha foto da carteirinha do segundo ano. À esquerda, os programas das apresentações de final de ano. No fundo, no centro, minha turma do Ensino Médio.

8. Se envolveu em algum tipo de briga ou movimento/protesto?
Briga sempre que tinha campeonato de handball porque, né, espírito esportivo: não trabalhamos. Geralmente minhas encrencas eram com uma menina em específico e não gosto nem de lembrar. Nunca chegamos à violência de fato porque sempre fui grandona e eu abusava disso pra que ela tivesse medo…

9. Sua escola tinha alguma lenda, tipo loira do banheiro? Você tinha algum medo na escola?
Olha, não que eu me lembre. O medo que eu tinha era o de fracassar, sabe? (ainda tenho) De ter gasto todo o meu potencial na escola e ser um Zé Ninguém no futuro. Olha, o que posso dizer é que hoje sou realmente um Zé Ninguém mas isso não me incomoda mais.

10. Sofreu ou causou bullying em alguém?
Uma vez uma menina me chamou de gorda na quinta série e eu falei pra ela que se eu quisesse eu emagrecia, pior o cabelo dela que nem com amaciante dava jeito (em minha defesa: ela me xingou primeiro). Mas fora isso, no colégio novo me chamavam de Royal, por conta da minha boca grande. Hoje eu gosto demais de ter bocona mas naquela época era uma ofensa tremenda pra mim.

11. Como era a sua performance em apresentações da escola? Curtia?
Eu não gostava de dançar (sempre tive vergonha por ser gorda) mas adorava quando envolvia outras coisas. Na minha escola, todo final de ano fazíamos uma apresentação no Teatro Polytheama daqui de Jundiaí (que é maravilhoso). Lembro muito bem do primeiro colegial, que foi quando recitei um texto de Chaplin, que faz parte do discurso final de O Grande Ditador, o qual eu lembro até hoje:

“Hannah, estás me ouvindo? Onde te encontrares, levanta os olhos! Vês, Hannah? O sol vai rompendo as nuvens que se dispersam! Estamos saindo da treva para a luz! Vamos entrando num mundo novo – um mundo melhor, em que os homens estarão acima da cobiça, do ódio e da brutalidade. Ergue os olhos, Hannah! A alma do homem ganhou asas e afinal começa a voar. Voa para o arco-íris, para a luz da esperança. Ergue os olhos, Hannah! Ergue os olhos!”

(agora que já escrevi tudo isso lembrei que talvez a pergunta se refira às apresentações de trabalho mas, enfim, minha resposta com essa citação foi melhor, vai? heh)

12. Do que você mais lembra desse tempo? Quais as coisas que mais te trazem lembranças?
Lembro dos dramas, de como tudo que acontecia era o fim do mundo. Vendo o lado não tão legal de tudo, lembro de não me sentir pertencendo a lugar nenhum. Eu nunca era convidada para as festas, nunca ninguém queria ficar comigo e eu s’era chamada para os grupos de trabalho por conta das minhas boas notas. Engraçado que ainda hoje quando encontro com algumas pessoas daquela época, eu ainda me sinto assim. A diferença é que hoje essa exclusão social é uma escolha, passei a apreciar o fato de ser hipster diferente e apreciar minha própria companhia.
Mas também lembro das amizades, algumas que estão comigo até hoje <3

13. Teve algum professor(a) ou funcionário que te marcou?
A professora Valéria, de Biologia, me marcou demais assim que cheguei no colégio novo. Acho que foi a professora com quem mais aprendi na vida. Lembro até hoje da grande maioria das aulas, sei as musiquinhas de citologia até hoje e só tirava 10 nas provas. Por um triz que eu não fui pra biológicas, viu?
A minha professora de Português do ginásio, a Vânia, também me marcou muito, me incentivou demais na leitura e tem influência grande no que sou hoje.

14. Se você pudesse voltar no tempo, o que diria pra você mesma naquela época?
Não tenha medo de ser quem você é, Lívia (e não namore durante o Ensino Médio, pelamordedeus, justo quando você era uma graça de xovenzinha). Aproveite as excursões, gincanas e viagens. Curta muito porque esse tempo não volta mais (como qualquer outro). E principalmente: não se envergonhe de estudar tanto, isso vai fazer a diferença. E vá atrás dos seus sonhos, menina! Mesmo que isso só aconteça dez anos depois de ter saído do colégio.
(aliás, bateu uma vontadezinha de escrever de novo uma carta pro meu eu de 10 anos atrás, já que aqui no BeLivs só tem a carta para o meu eu do futuro)

Tinha tudo para ser um post bobinho, mas lembrar daquele tempo mexe muito comigo e não consigo não ser emotiva…

Queria muito ler as respostas da Ana Carô, Poly, Luly e Renatinha, que tem todas mais ou menos a mesma idade que eu e devem ter vivido coisas parecidas.

Um beijo!

Previous Post Next Post

You Might Also Like

8 Comments

  • Reply Patthy 25 de agosto de 2016 at 11:41

    Terminar a tarefa para poder conversar: tão eu.
    Eu não me incomodava em passar cola (dependendo do professor que estava aplicando a prova, claro), desde que a pessoa não estivesse sentada atrás de mim: como que tu vira para trás sem o profs perceber? Ah, e trocar prova eu também não trocava, porque podia dar rolo. Prova de inglês no 2º colegial era várzea, a professora via a gente conversando mas sabia que eu estava era passando cola, não pedindo.

  • Reply Mariana 25 de agosto de 2016 at 13:07

    Meu Deus, esse sentimento de que as coisas são o fim do mundo e depois o tempo passa e tudo parece tão besta! Aiaiai que época boa demais! Te contar, quando colocaram um time de handebol na minha escola era só treta, as meninas se estranhavam o tempo todo! Mas olha, funcionou, hoje nosso handebol é um dos melhores do mundo (e tu ainda contribuiu, olha só que massa!). Sei que eu jogava futsal e era treta o tempo todo também. Hoje a gente tem esse conceito de sororidade, mas que falta isso fazia nessa época! Eu era nerdona como você e minha vida em dia de prova era um inferno. Acho que por isso o universo decidiu que eu deveria mesmo ser professora hahahahaha! E a tua faculdade, acaba quando? Beijos!

  • Reply Ana 25 de agosto de 2016 at 13:45

    Caramba, vai ser muito gostoso responder essa tag! hahahhaha.
    Engraçado que minha experiência no colégio foi parecida com a sua em alguns aspectos e beeeem diferente em outros. Vou responder. 😀

  • Reply Luly 26 de agosto de 2016 at 22:57

    Eu não sei o que comentar. Sério.
    Amei muito ter sido indicada porque achei essa tag uma delícia, mas ao mesmo tempo ler as suas experiências me fez lembrar das minhas e, como em muitos momentos da vida, a parte ruim me atingiu com muita força. Acho que vai ser gostoso responder tudo isso pra botar pra fora, sabe? Se bobear até faço em vídeo pra desabafar geralzão, hahaha!
    Toca aqui na turma da galera meio nerd que não colava e nem era convidado pras festinhas!!!!! e eu achei essa sua história com seu amigo bacana, acho que vocês dois lidaram super bem com isso (os professores nem tanto) e que bom que se falam até hoje!

  • Reply TAG: Como você era nos tempos de escola | Miniature Disasters 26 de agosto de 2016 at 23:09

    […] traças, então resolvi deixar esse post por aqui. Vi essa TAG nos blogs das minhas queridas amigas Livoneta e Patthynete e resolvi copiar, mesmo. No regrets! […]

  • Reply Poly 29 de agosto de 2016 at 21:35

    Pega o comentário da Luly e reproduz. Digo exatamente as mesmas coisas.
    Fiquei com muita vontade de responder, mas ao mesmo que bate aquela nostalgia boa, vem a bad das coisas ruins que aconteceram na época.
    E não sei se rola fazer um textão para desabafar coisas de uma década ou falar só sobre as coisas boas…
    Obrigada por me indicar.
    Também te indiquei para uma tag lá no blog

  • Reply Bela 1 de setembro de 2016 at 12:26

    Eu sempre estudei em escola estadual. Mudei de escola 5 vezes por causa da separação dos meus pais. Sempre fui a CDF que se matava pra fazer tudo logo e conversar também (!). Até a quarta série eu colocava plástico na minha mesa pra não sujar meus materiais c: HUAHUISHUAHSUH Na unica tentativa de matar aula, levei todo mundo em casa falando pro meu pai que era aula vaga :B HSIUAHSUIAHUIDHUISHD Eu também era muito caxias! Até na faculdade eu não colava -mas era quem dava cola :3
    Eu sofria um bullying danado, mas na época não era esse nome néam.
    Tem até hoje uma funcionária na escola que estudei que sabia o nome de todo mundo e dos pais. Tipo ‘oh dona isabela, vou chamar seu pai, seu carapinheiro, viu?!’ WHATAFUCK DONA véia HSUIHASUIHA
    Me identifiquei muito com você e com essa tag. Possívelmente vou falar sobre o assunto mas nao fazer a tag HAISUHAUSHUAISHDU
    A Bela, não a Fera | Youtube A Bela, não a Fera | Fã Page no Facebook

  • Reply Vídeo-Tag: Tempos de Escola ◂ Sweet Luly 12 de outubro de 2016 at 15:46

    […] indicada pela Lívia, do BeLivs, a responder à tag Tempos de Escola (post dela aqui!) e acho que se eu fosse fazer isso num post escrito ficaria realmente MUITO longo porque falar […]

  • Leave a Reply